JULGAMENTO:Caso Eliza Samudio

O advogado de Marcos Aparecido dos Santos (Bola), Ércio Quaresma (Foto: Glauco Araújo/G1)
O advogado Ércio Quarema, que defende o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, abandonou o júri por causa de um limite de 20 minutos para que as defesas apresentassem questões preliminares no julgamento do caso Eliza Samudio. Ele retirou a beca e começou a recolher suas coisas da mesa, no Fórum de Contagem, em Minas Gerais, onde acontece o julgamento."A defesa não vai continuar nos trabalhos, nós não vamos nos subjugar à aberração jurídica de impor limites onde não há", disse Quaresma. A juíza Marixa Fabiane, que preside o júri, disse que a defesa pode "fazer o que quiser". "Se a defesa declarar essa postura, eu declararei os réus indefesos", afirmou.Então é vai declarar isso porque as defesas de dois réus acabaram de abandonar o julgamento, a juíza decidiu fazer um intervalo para o almoço. Público sai do plenário do Fórum de Contagem.O clima ta quente la,.no começo do júri, Quaresma já havia discutido com outro advogado, Rui Pimenta, que defende o goleiro. Ele dirigiu-se à juíza Marixa reclamando que Pimenta havia retirado suas coisas da mesa que estava preparada para ele e sua equipe. "Ele foi lá e tirou minhas coisas de lá", disse Quaresma à juíza.O advogado dirigiu-se para Pimenta pedindo "elegância". A magistrada foi dura: "se os senhores não resolverem, eu vou ter que ir lá resolver". Após cerca de cinco minutos de discussão, os advogados entraram em um acordo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário