MINHA MENSAGEM PARA VC E SUA FAMILIA...

ESTE ANO TEREMOS O MELHOR NATAL DOS ÚLTIMOS TEMPOS.SÓ DEPENDE MESMO DE NÓS.NESTA ÉPOCA NATALÍCIA VAMOS CONCENTRAR AS NOSSAS MENTES E DIRIGIR AS NOSSAS ALMAS APENAS PARA OS BONS PENSAMENTOS,APENAS PARA A VIRTUDE E PARA O DESEJO DE PROMOVER O BEM E DEMONSTRAR O NOSSO AMOR E RESPEITO AO PRÓXIMO.
NÃO VAMOS ESQUECER-NOS  DAS AMARGURAS DO MUNDO ,MAS VAMOS AGRADECER A DEUS  POR NOS PROPORCIONAR SAÚDE,TETO E MESA FARTA QUANDO HÁ TANTA GENTE A PASSAR POR NECESSIDADES NAS RUAS,NAS ESQUINAS .VAMOS TER O MELHOR NATAL DO MUNDO,SIM,PORQUE VAMOS NOS LEMBRAR DE QUE A SOLIDARIEDADE É O QUE NOS FAZ MAIS HUMANO,O QUE NOS FAZ DIFERENCIADO DOS    
DOS OUTROS SERES DIVINOS.VAMOS TER O MELHOR NATAL DOS ÚLTIMOS TEMPOS.POIS VAMOS TRATAR-NOS COM CARINHO E DIGNIDADE,RELEVANDO EVENTUAIS DESAVENÇAS QUE TENHAM OCORRIDO NO DECORRER DOS ÚLTIMOS MESES E ESQUECER O VIL ORGULHO,PARA QUE POSSAMOS PERDOAR E SER PERDOADOS.
O NATAL CELEBRA O NASCIMENTO DE CRISTO ,E LEMBRAR-NOS DO SEU NASCIMENTO  E DE TODOS OS SEUS CONSELHOS ,CERTAMENTE FARÁ ESTA ÉPOCA MAIS FELIZ  ! 



Certa vez, há muito tempo, um menino nos foi dado e sobre ele veio uma responsabilidade ímpar na história da humanidade, algo insuportável para qualquer outro ser, seja ele humano ou celestial. Esse pequenino veio como embaixador de seu pai, como um mensageiro e missionário. Alguém portador de algo necessário para toda a humanidade. Jesus era seu nome.
É necessário que vejamos o cocho, ou a popular manjedoura, como um púlpito, como um palco de uma nova mensagem. Mas alguns podem perguntar como vejo o cocho como púlpito se estamos acostumados com púlpitos de mármore, acrílico e madeiras brilhantes que expressam riqueza e grandeza? Chamo você a pensar no “Púlpito de Cristo” como algo frágil, porém onipotente; simples, porém maravilhoso. Essa linda mensagem que por um menino nos foi pregada, significava o cumprimento de uma promessa feita por Deus aos homens desde a separação do Criador de sua criatura, que, por si só, não conseguia vencer o pecado. Dessa forma Deus se apresentava ao mundo não mais como um Deus distante, mas, Deus conosco. “Glória a Deus nas alturas, paz na terra, boa vontade para com os homens” cantavam os anjos como forma de gratidão por essa linda mensagem.
Que bom é saber que nosso Deus cumpriu sua promessa e com grande festa pregou para a humanidade. Ao subir em seu pequeno e simples púlpito, Cristo, o pregador daquela noite, anunciou a todos uma mensagem de esperança, um sermão tão poderoso que fez com que uma estrela se movesse só para serví-lo como luminária e apontasse a todos o caminho de esperança. Os que viram aquela luz foram por ela guiados até aquele pregador que se vestia de um lindo “terno” feito por pedaços de pano e que se consagrava como a própria esperança. Esperança essa tão esperada por todos, pois era um povo que sofria tantas injustiças, que só esperavam mesmo algo melhor se viesse mesmo de forma divina.
Linda foi aquela noite, pois o melhor e mais poderoso sermão foi ali pregado. O jovem ainda nem sabia ler ou escrever e muito menos falava; tinha apenas algumas horas de vida e já maravilhoso sermão pregava. Era um mensageiro de Deus; foi e anunciou naquela noite a salvação divina. Quebrando toda e qualquer forma de condenação e se tornando a única salvação, tão perfeita que a carregava em seu próprio nome: Jesus, “Deus é minha salvação”.
Sem piano, sem espetáculo, sem teatro, sem muita coisa, o quase nada se torna em tudo e assim era a realidade daquela pequena igrejinha chamada estábulo. É importante termos em mente que Jesus até hoje prega a todos esse mesmo sermão. Um sermão que tem como cenário a simplicidade e escassez, um sermão sem luz, câmera e ação. Mas que foi, e, é uma mensagem que nunca se acabará e que se renovará a cada dia em nossas vidas. Amém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário