Barbárie em São Paulo...

Jonathan Cassiano Araújo (Foto: Reprodução)
A Justiça decretou ontem, sexta-feira(26) a prisão temporária do suspeito de atear fogo e matar a dentista Cinthya Magaly Moutinho de Souza, de 47 anos, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista. O crime aconteceu nesta quinta-feira (25) no consultório dela. Jonathan Cassiano Araújo , de 21 anos, é o único dos suspeitos identificados até agora. Ele foi reconhecido pela própria mãe nas imagens divulgadas pela polícia do circuito de segurança de uma loja de conveniência onde o cartão da vítima foi usado.A mãe de Jonathan é a dona do carro usado pelo grupo suspeito do crime. A perícia procura no veículo pistas que possam ajudar na identificação de todos.Uma testemunha já ajudou a polícia a fazer um retrato falado de dois comparsas de Jonathan envolvidos no crime. Ninguém havia sido preso até esta sexta.Cinthya morreu queimada após assalto a seu consultório, que funcionava na Rua Copacabana. Segundo a Polícia Militar, um trio invadiu o estabelecimento por volta das 12h30 de quinta-feira. Como eles não encontraram dinheiro, a dentista entregou o cartão bancário e a senha. Os ladrões, então, sacaram R$ 30 num caixa eletrônico, enquanto um outro continuava no consultório com a dentista e uma paciente como reféns.Depois, os criminosos voltaram, atearam fogo na dentista e fugiram em um carro. Um quarto assaltante aguardava os outros em um Audi estacionado perto do consultório.“Nós não sabemos ainda a motivação do crime e só a teremos a partir do momento em que eles estiverem presos e nós ouvirmos através dos interrogatórios qual motivo os levou a tamanha barbárie”, disse Maurício Blazeck, delegado-geral da Polícia Civil de São Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário